Apelidos Perversos: Ao que eles conduzem?

Apelido, na língua portuguesa, é um nome, uma designação particular que se usa no lugar do nome próprio de certas pessoas ou de certos grupos; alcunha. É uma nomeação que expressa uma particularidade de alguma coisa.

A palavra apelidar vem do latim apellito, – are, designando chamar muitas vezes, ter o hábito de chamar. Dar nome ou designação, designar, nomear.

O apelido é uma palavra pela qual os amigos chama a um integrante de sua turma, referindo-se a ele de modo diferente do seu próprio nome. Na maioria das vezes, os apelidos surgem das características físicas de cada indivíduo, por exemplo: uma pessoa que usa óculos pode ter um apelido relacionado ao seu estado.

 

Os apelidos podem valorizar características positivas ou negativas do indivíduo. Contudo, na maioria das vezes, os apelidos tendem a valorizar os aspectos negativos. Nesses casos, os apelidos mostram-se depreciativos e até mesmo perversos, tornando-se uma tormenta para a pessoa apelidada, que se sente constrangida, ridicularizada e até mesmo humilhada ao ser chamada pelo apelido. É o que acontece de forma recorrente nas escolas, onde as crianças e adolescentes sofrem um verdadeiro assédio moral por parte dos colegas com os mais perversos apelidos (que revela perversão…aquele que tem má índole, que tem tendência a  praticar crueldades; malvado). E o que é pior, sofrem tal assédio por anos a fio, muitas vezes calados, sem sequer dividir a dor com seus pais ou professores.

A gravidade dos apelidos perversos ou constrangedores é que geralmente são colocados nos indivíduos quando ainda se encontram no processo de formação da personalidade, da autoestima, da autoconfiança e da autoimagem. Nesse estágio, os indivíduos não têm maturidade para ignorar o apelido, nem sabedoria e autoridade para afastar o constrangimento. Em razão disso, os indivíduos sofrem calados anos a fio.

Observe-se que essa perturbação sofrida ao longo de um tempo (muitas vezes cinco, dez anos), de forma repetitiva e sob um forte impacto emocional, tendo em vista a dor do constrangimento, a humilhação, a revolta e a incapacidade de reação, vão formando uma crença de identidade limitante, que produz efeitos nefastos na vida do indivíduo, na fase adulta.

O nosso cérebro funciona a partir de imagens, pensamentos e sentimentos. Tudo o que eu vejo, penso ou vivencio repetidamente ao longo do tempo ou sob um forte impacto, transforma-se em uma verdade pra mim. Assim, se um professor, que é uma autoridade na vida de uma criança ou adolescente, disser a ele diante da turma, em razão de uma pergunta simplória ou um insucesso na prova, que ele nunca vai aprender matemática ou que ele não nasceu para tal, por exemplo, dependendo do constrangimento sofrido e do impacto emocional com o qual o aluno recebeu aquela declaração, ele nunca mais se sairá bem em matemática, ao contrário, passará a ter problemas com a matéria.

O mesmo ocorre quando a criança passa a ser humilhado, constrangido e ridicularizado diariamente pelos colegas com apelidos depreciativos de alguma parte do seu corpo, da sua capacidade de fazer alguma coisa, da sua sexualidade, dentre outros, este aluno passará a entender essa comunicação negativa como uma verdade a seu respeito.  Em consequência disso, manifestará baixa autoestima, timidez, medo, insegurança, muita raiva de si mesmo e do mundo, que poderá ser descontada de maneira desequilibrada em crianças mais novas, como irmãos.

 

Esses vícios emocionais farão com que o indivíduo cresça com uma carga emocional bastante desajustada, com uma percepção distorcida da realidade, com uma visão equivocada de si mesmo e de suas habilidades, impedindo que ele expresse o seu máximo potencial em qualquer área que escolher atuar.

 

O indivíduo passa a evitar e até mesmo fugir de qualquer tipo de exposição, para não sofrer nenhum constrangimento. Sente-se triste e incapaz de mudar a própria realidade, passa a ter medo de emitir a sua opinião e ser criticado. Sequer tenta alcançar as coisas que gostaria por medo de fracassar ou ouvir não.  Isola-se e encolhe como se fosse um caramujo. Consequência disso é que os resultados que esse indivíduo manifestará na vida serão os piores possíveis, seja na área profissional, conjugal ou financeiro.

Isso acontece porque as crenças são profecias autorrealizáveis, ou seja, tudo o indivíduo comunica, de forma verbal ou não verbal, ele pensa. Tudo o que ele pensa, ele sente e tudo o que ele sente se transforma em verdade (crença). Tudo o que o indivíduo acredita verdadeiramente, de maneira consciente ou inconsciente, transforma-se em realidade. Assim, situações que, a princípio, pareciam sem importância na vida da criança, de natural superação, em razão de ter gerado um forte impacto emocional negativo, pode comprometer o seu futuro promissor.

 

É preciso que os pais fiquem muito atentos ao que seus filhos estão vivendo na escola. É preciso que acompanhem de perto, observem seus filhos dentro de casa, analisem seus comportamentos, veja se estão mais calados, mais tristonhos, mais raivosos ou impacientes. Caso estejam manifestando alguma mudança de comportamento, investiguem, pois pode estar havendo algum constrangimento e nessa hora, os pais devem ser os principais aliados.

 

É preciso apoiar o filho, fortalecê-lo colocando-o em uma terapia, ir à escola conversar com a coordenação e até mesmo mudá-lo de escola, pois a autoestima e o equilíbrio emocional dele são os seus bens mais preciosos.

Cabe aqui pedir aos pais que não se demorem na tomada de alguma atitude e nem exijam do seu filho o enfrentamento da situação, caso eles não se sintam prontos ou preparados para fazê-lo. Isso não significa que serão fracos ou incapazes de resolver seus próprios problemas na vida adulta. O fato é que ainda não estão prontos para lidar com esse tipo de situação, cuja pressão é extremamente grande, por se tratar de um grupo e não apenas de um indivíduo. Resguarde a sua autoestima, o seu autoamor e a sua crença de identidade, de capacidade e de merecimento, pois são essas crenças fortalecidas que farão dele um indivíduo de sucesso.

 

 

 

 

 

 

 

 

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *